Régua, Douro, Portugal -Teixeira de Pascoaes

“Levanto-me da cama com gestos                                                                        semelhantes aos golpes de asa                                                                                          de um corvo rápido.

Levanto-me                                                                                                                        para saudar o dia.

Uá, uá!

Minha face afasta-me das trevas da noite                                                                            e olha para a aurora                                                                                                            que se abre.”

(5 poemas esquimós O Bebedor nocturno Poemas mudados para português – Herberto Helder Assirio e Alvim ) ”

“Mas o despertar não dissipa os sonhos; apenas lhes despe a aparência material.”

“O Marão sumiu-se, por encanto, num abismo, com as bordas remotas esfumadas: é a paisagem do Douro aparecendo, indefinida e triste, numa vasta indecisão nocturna; um vácuo enorme, onde cai a luz dos astros, como gotas de fogo numa boca monstruosa de sombra.”

“É o Douro, aflito num pesadelo, barrento e amarelo (…) apenas vejo as suas largas linhas espectralizadas, donde emana um vago e gélido terror, que é o próprio rio entremostrando ao nosso imaginar a escura lividez dos pegos mortos, síncopes de abismo em que gelam as águas torvas e medonhas.”

(Teixeira de Pascoaes – A Beira (Num relâmpago))

 

TRAFARIA, MAIO, 05, 2018

“Quando me dás do teu tempo

dás-me um pouco de mim:

o meu detém-se. (…)

Não és tu  a que vem dar-me a conhecer

o seu multicolor novelo de tempo enrolado

lá no fundo da alma,

que se vai desenrolando

ante os meus olhos, (…) ”

(excerto de poema de Alberto Pimenta: Antelogium)

 

 

“A Trafaria tornou-se a terra dos únicos. Uma farmácia, Uma avenida, nenhum posto de saúde, etc. ” (…)

“Não chega pôr curiosos a comer aos Domingos e feriados. Ou falar em ver Lisboa para lhe dar valor. ”

(Ana dos Santos)